Abstract ideal mode - 150X300 cm - óleo sobre tela - 2012

 
O Abstrato das Figuras
Casa Romário Martins, 16 de dezembro de 2001 a 24 de fevereiro de 2002.
No texto de apresentação que fiz para a exposição Vórtice (Espectros pintados a óleo apresentados sob efeitos de argumentos lisérgicos) de Marcelo Paciornik em 1998, eu escrevi que suas pinturas já anunciavam algo para além do figurativo, devido ao modo de trabalho do artista.
Aquelas pinturas eram comparadas a luzes dançando na atmosfera das “Raves”:
“Luzes vindas de um momento especial, quando a manipulação das cores remete aos pixels do monitor do computador ou vídeo em zapping, que formam uma camada virtual de luz elétrica noturna captada pelos pincéis à maneira da viragem de cor”.
A dualidade também se apresenta no extremo cuidado quando da realização da pintura, em contraste com a composição vibrante que permite pela desfocalização indefinição e indeterminação propositais vôos ao imaginário de cada um.
Ora um rosto, ora uma paisagem, ora nada mesmo, a não ser pura pintura, são extraídos pelo olhar e vêm à tona sem preocupação pelo significado em contínuas associações de idéias.
O interessante é que este efeito dinâmico é conseguido, pelo artista, por meio de um trabalho cerebral, fotográfico, de fixação do instantâneo, que se inicia no modo figurativo e se torna sugestivo, pela matéria pictórica caprichosamente penteada e igualmente cortante da diagonal, insinuando formas, sombras e fantasmas.”
Nestas pinturas mais recentes, a atmosfera noturna é substituída pela presença de cores selecionadas pelo artista numa pintura mais cerebral e menos emotiva.
Estas cores espalhadas em grandes áreas, que tomam conta da tela, são determinadas pelo método de pintura pesquisado pelo artista, num paradoxo que contrapõe à cor mais viçosa uma tonalidade atenuante, como se fossem veladuras para manter no lugar correto os valores de cada um dos pigmentos.
Frente a frente coma matéria da pintura, Marcelo designa valores autônomos para as cores, que são a seguir ajustados por ele numa atmosfera de névoa o definido cedendo lugar á insinuação alcançada através de textura feita com extremo cuidado pelo artista.
O anímico da pintura gestual não está presente em nenhm momento da criação nem da execução da obra. Na sua pintura não existem arroubos de entintamento, nem pinceladas, nem de excessos pictóricos.
Mesmo assim o impacto visual que é alcançado por sua pintura é definitivo, em função do conhecimento e domínio de tonalidades que Marcelo possui.
A emoção contida que existe no início do processo persiste e se transforma no paciente trabalho realizado pelo artista ao preencher as áreas de pintura por meio de pinceladas que têm muito do registro gráfico imbuído nelas.
Seu processo nesta etapa de produção abstrata não é gratuito, como nunca foi em sua linguagem figurativa.
Fruto de um árduo trabalho de coleta de formas e do desenho que se inicia na delimitação das áreas, o modo de execução da pintura é quase matemático.
Na obra de Marcelo, os elementos pictóricos são trabalhados por métodos de investigação que se comparam aos feitos por instrumentos de percepção ótica, tendo como resultado a constatação que suas superfícies irradiam energia, criam seus próprios espaços.
Na sua pintura o domínio do processo em cada etapa, nada é obra do acaso; tudo é planejado e executado de acordo com efeitos que ele sabwe antecipadamente que vai alcançar. Desta maneira, a emoção proveniente das áreas de cor, é sempre submetida à razão controlada.
A matéria da pintura, para Marcelo, é algo a ser subordinado ao seu pensamento, aos seus estudos já realizados.
A obstinação do artista reside em apresentar um universo pictórico excessivamente limpo, sem defeitos, na criação de um mundo perfeito, sem conflitos, uma vez que cada área de tinta é ajustada para tomar seu lugar específico já designado pelo artista, desde o início.
Por outro lado, sua pintura é governada por linhas oblíquas, com uso de muitas áreas triangulares de cor que se movimentam mesmo estando paradas, o que significa que sua composição é viva, ativa, repleta de vibrações que mexem com nossa sensibilidade.
Nilza K Procopiac
Crítica de Arte | Art Criticism
 

 

Medalha de ouro Salão Bunkio - 100x100 cm - óleo sobre tela

 

 

Abstração Sinfônica 2 - 160x240 cm - óleo sobre tela

 

 

Abstração Sinfônica 2 - 150x300 cm - óleo sobre tela

 

 

Abstração Sinfônica Azul 2 - 120x240 cm - óleo sobre tela

 

 

Abstração Azul -120x160 cm - óleo sobre tela

 

 

Abstração Verde e Laranja - 140x160 cm - óleo sobre tela

 

 

Abstração Sinfônica PB 2 - 120x200 cm - óleo sobre tela

 

 

Abstração Sinfônica 5 - 100x200 cm - óleo sobre tela

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 Próximo > Fim >>

Página 1 de 5