Mago - óleo sobre tela

 

 

Mago de Prata PB - óleo sobre tela

 

 

Mago de Prata - óleo sobre tela

 
O Mago de Prata, 05 de novembro de 1991
| O Evento
No dia 04 de novembro no Shopping Crystal e no dia 05 de novembro de 1999 no Circus Bar, em Curitiba, acontece o evento de lançamento de um trabalho multidisciplinar.
Trata-se de um livro de ficção, uma série de quadros pintados a óleo e um Cd composto pela banda Prankish como trilha sonora para a leitura do livro. Todas as formas de expressão deste evento seguem incondicionalmente a mesma inspiração, isto é, a estória do livro, intitulado “O Mago de Prata”.
| Sinopse do livro
Após eventos catastróficos, a humanidade é ameaçada por uma força descomunal chamada “Eco Revolta”. O ser humano deve seguir então a novas leis ditadas pela “Eco Justiça” a qual vai transformar o ser humano num poderoso ser graças a algo chamado “Eco Magia”.
Ortal acaba de ser nomeado cavaleiro real de sua aldeia em meados do ano 4000 depois da “Eco Revolta” no planeta Azul (Terra). Descobre então que tem que procurar um ser de enorme força espiritual, chamado o Mago de Prata.
É logo fisgado pela energia deste ser e inesperadamente, é atingido por uma forte paixão. Tão forte que gera, posteriormente, um enorme problema de ordem universal.
Dez mil anos depois o imperador Schaia III tenta solucionar o problema causado pela paixão de Ortal.
Porém Schaia III tem mais problemas do que imaginava e é dentro de um complicado contexto entre mundos paralelos que acaba caindo no mesmo dilema de Ortal.
A estória avança por intrigantes personagens num complexo mar de lendas e sonhos formando uma trama tão comovente quanto a própria beleza do Mago de Prata.
| O elemento pictórico
Foram apresentados vinte quadros dispostos por entre os vãos dos mesaninos do shopping, criando a impressão de vários monitores remetendo ao espectador um efeito de tecnologia.
As imagens dos quadros, são divididos de duas formas paralelas, uma delas tem um forte apelo dramático que reflete a imagem do personagem principal do livro, o Mago propriamente dito, a outra é uma visão mais abstrata da estória, como teias de um destino incerto, mas que formam, conforme o olhar do espectador, imagens concretas de uma realidade dissolvível.
Além disso o suporte dos quadros são divididos, criando mais um elemento dentro do próprio elemento pictórico, causando desta forma uma desconecção com a realidade da própria pintura. Traduzindo o efeito de fuga da realidade que o livro propõe.
| O elemento musical
Da mesma forma que os quadros são inspirados no livro a música segue pela mesma trilha, porém vindo de uma banda como o Prankish o resultado é no mínimo estarrecedor. A banda sempre teve uma pegada pesada, sempre contou com estilos que poderiam variar entre o “punk” e o “trash”.
Neste projeto, porém, o resultado foi inesperado, esta mesma pegada se mescla com temas medievais, flamencos e regionais, com coros, violas e violinos que dão a estória um algo a mais, transformando o livro em um “livro-clip” onde a imaginação do leitor tem o papel de editor, diretor de fotografia, cenógrafo, etc.
Nilza K Procopiac
Crítica de Arte | Art Criticism
 

 

O Mago de Prata 1 - 120x120 cm - óleo sobre tela - 1999

 

 

O Mago de Prata 2 - 120x120 cm - óleo sobre tela - 1999

 

 

O Mago de Prata 3 - 120x120 cm - óleo sobre tela - 1999

 

 

O Mago de Prata 4 - 120x120 cm - óleo sobre tela - 1999